21 outubro 2009

A propósito do livro de Saramago

Tomada de posição da Aliança Evangelica Portuguesa


AEP, 2009-10-20

O direito a expressar o erro

Os evangélicos contam-se entre os portugueses que durante séculos foram privados da liberdade de expressão e por isso entendem o valor de tal direito como fundamental e inalienável. Por isso, defendem o direito de todas as pessoas a expressarem as suas ideias.

A liberdade de expressão adquire ainda mais significado quando a reconhecemos àqueles que a usam para nos agredir e para defenderem ideias das quais discordamos absolutamente. Os evangélicos defendem que devemos ser tolerantes mesmo para com quem usa a liberdade de expressão para agredir as nossas convicções religiosas. A liberdade de expressão não foi concebida só para ouvirmos palavras agradáveis. Não é agradável ouvir-se a defesa de ideias que expressam ignorância, preconceito e agressividade acerca da Bíblia e acerca de Deus, mas temos presente que todo o homem é mortal mas que a Palavra de Deus é eterna.

Publicado em:
http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?t=Evangelicos-defendem-liberdade-de-expressao-mesmo-que-mostre-ignorancia.rtp&article=288398&visual=3&layout=10&tm=4

http://dn.sapo.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=1395941&seccao=Livros#

http://aeiou.visao.pt/literatura-evangelicos-defendem-liberdade-de-expressao-mesmo-que-mostre-ignorancia=f533840

http://quiosque.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ae.stories/22152&sid=ae.sections/3

2 comentários:

Jorge Oliveira disse...

Compreendo essa tomada de posição institucional, mas considero que poderia ter ido muito mais longe.
A tolerância nunca se opôs à denúncia do erro e ao direito de divulgar a Verdade da Palavra de Deus. Essas sim, responsabilidades obrigatórias da Aliança Evangélica.

Ego ipse disse...

É verdade que sim... mas sinceramete prefiro uma tomada de posição "soft" do que nenhuma tomada de posição (o que muitas vezes aconteceu) ou até do que uma tomada de posição extremada que só iria trazer (como disseste no teu blog)publicidade para o tal fulano