17 junho 2005

Ingratidão

Dois viajantes, por volta do meio-dia, esgotados pelo forte sol de verão, resolveram abrigar-se debaixo dos galhos e folhagem de uma figueira brava. Descansando à sombra da árvore, conversavam despreocupadamente até que um deles disse: "Que árvore inútil é esta figuera brava! Ela não produz nada comestivel e não tem nenhum valor para o homem." A figueira brava (no tempo em que elas falavam), interrompendo-o, disse: "Ingratos! Estão a receber os meus benefícios descansando à minha sombra ao mesmo tempo que me chamam de inútil e improdutiva."

Assim é o homem em relação ao bom Deus que faz com que sua chuva e o seu sol dê beneficios aos homens e dos homens apenas recebe ingratidão e indiferença




1 comentário:

jc disse...

É a nossa natureza... Somos assim... Ingratos como tudo!