12 fevereiro 2007

Aborto? Não! - Apesar de...

A maioria dos votos dos portugueses foi a favor da despenalização do aborto, como acredito na vida desde a sua concepção só tenho a lamentar com esta decisão que respeitarei, mas que não defenderei de maneira nenhuma.

Fiz a minha parte neste referendo, emitindo a minha opinião nos e pelos meios que estão ao meu alcance, poderia ter feito mais... tambem não tenho duvidas, no entanto aponto algumas razões que no meu entender levaram à mudança geral de opinião em relação a 1998:
1) Comodismo: Após 1998 a nivel estatal, pouco ou nada foi feito para aconselhamento, acompanhamento das mulheres e familias que punham a opção de abortar
2) Expressão/Mediatismo: Pouca expressividade das acções dos movimentos a favor da vida vs. a cobertura mediática e politica nos poucos julgamentos realizados sobre esta questão
3) Envolvimento: Menor envolvimento das igrejas em acções de rua coordenadas e conjuntas - e falo dos evangélicos em 1º lugar - limitando-se a marcar presença de quando em vez

Resta-nos esperar que aprendamos com os erros e que tenhamos a coragem e a intervenção que tiveram alguns movimentos e partidos a favor do sim, apontando e acusando as falhas do sistema e o incumprimento das premissas que levaram à vitória do sim para que daqui a 8 anos como movimento de cidadãos possamos exigir novo referendo esperando um resultado bem diferente

2 comentários:

ruben disse...

Acho que agora a discussão já vai mudar, fala-se já da eutanásia liberalizada em referendo daqui a 2 anos. É sem parar até terem tudo o que querem.

Lai disse...

mas é isto o que nos espera...isto é que são "os últimos tempos"...
foi para isto que Jesus Cristo nos avisou inúmeras vezes...
resta-nos ser firmes e fortes convictos daquilos que queremos e acreditamos...
a Igreja vai poder atenuar (se quiser - pq sentada nas cadeiras a igreja não vai muito além) algumas coisas mas não vai poder evitá-las!!
É para que se cumpra o que está escrito!!!